Linux é ecologicamente correto

Como todos devem acompanhar na mídia, a questão ambiental é um dos assuntos mais comentados nos últimos tempos. As grandes empresas do ramo da tecnologia, como Apple e Microsoft, estão (ou pelo menos aparentam estar) mais preocupadas com isso. Entretanto, quem realmente está a frente nesse ponto é o Linux!

De acordo com um artigo feito pela ZDNet australiana, existe uma série de fatores que fazem do Linux o sistema operacional mais verde que existe. São dez pontos e dicas destacadas. Os principais você confere aqui.

  • Linux é leve, não requer máquinas potentes, assim, precisa de menos energia.

Pelo fato do Linux, com exceção de algumas distribuições, ser um sistema relativamente leve, você pode usar um PC antigo para navegar, conversar, ouvir músicas, etc. Enfim, tarefas simples e que todo mundo faz.

  • Modo em que o sistema é distribuído: Download.

Não é novidade para ninguém que o Linux é livre e, por isso, a maioria das “distros” são distribuídas gratuitamente pela internet, via download.  Quando distribuídos fisicamente, como no caso do Ubuntu, são embalados em pacotes simples, com papel e pouco plástico. Caixa enorme e cheia de detalhes é um objeto inútil que provavelmente ficará esquecido na gaveta. Além disso, encarece o preço final do produto.

  • Diversos ambientes, com interfaces agradáveis e enxutas.

A interface do Linux não te agrada? Além dos conhecidos KDE e Gnome, existem outros ambientes gráficos, um deles pode te servir. Por padrão eles são simples, sem muita perfumaria, assim consumindo menos energia. Um exemplo simples é a interface Aero, do Windows. Ela pode ser excelente, mas você paga por isso no fim do mês em sua conta de luz.

  • Servidores mais verdes.

Segundo um estudo realizado pela Red Hat, servidores baseados em soluções Linux ganharam do Windows Server 2008 em 13 dos 18 testes de energia. O gasto é 12% menor em hardware idêntico.

  • O Linux certo para o seu hardware.

Se você é um usuário avançado, você pode compilar o kernel para funcionar apenas com seu hardware, economizando energia por não ter que carregar diversos dispositivos. Está certo que isso é um pouco complicado, mas não deixa de ser uma vantagem em relação a economia energética.

Quem disse que o Linux não está a frente em algo? É claro que economizar energia não depende apenas do sistema, e sim do usuário na maioria das vezes. Se você utiliza o Linux como sistema operacional e deseja deixá-lo o mais verde possível, não deixe de conferir o texto completo na ZDNet, com as dicas propriamente ditas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *