Ataque ao Gerenciador de Tags do Google explicado

Uma técnica antiga que tem como objetivo infectar o navegador do internauta consiste em instalar uma extensão ou artefato semelhante a partir de um arquivo oferecido por javascript em uma página qualquer.

Tradicionalmente, bandidos invadem sites, instalam o javascript malicioso e atingem o público deste site.

O Ataque ao Gerenciador de Tags do Google é semelhante, mas ao invés de invadir um site, os criminosos obtém acesso a uma conta Google que é administradora de tags.
e nesta administração inserem a chamada para o mesmo javascript malicioso.

Isto tem um desdobramento maior pois um website que contém tags administradas por Google Tags pode também delegar a administração para um ou mais terceiros (empresas que oferecem serviços complementares como remarketing por exemplo), então, basta obter acesso a conta de um destes terceiros.

Quer complementar/corrigir esta explicação? Comente!

Relatório de Segurança: Mobile Malware – Segundo semestre de 2014

A empresa alemã G Data Software AG divulgou o MOBILE MALWARE REPORT THREAT REPORT: H2/2014, contendo dados coletados no segundo semestre de 2014 e indicando
que a indústria do cibercrime pretende colocar em circulação malwares especificamente projetado para atacar o Android, devido ao seu crescimento, em um ritmo de 4500 novos malwares por dia.
Continue lendo “Relatório de Segurança: Mobile Malware – Segundo semestre de 2014”

Monitore seu Apache

Monitorar em tempo real o que acontece com seu servidor Web é, em muitos momentos,
importantíssimo para o processo de localizar ataques, bots, tráfego mal redirecionado ou pontos
de sobrecarga.

Claro que sempre podemos ler as linhas do access_log utilizando tail -f /var/log/httpd/access_log; mas esta técnica envolve mais feeling do que precisão.

Uma ferramenta que me ajuda neste trabalho, em servidores Redhat/CentOs/Amazon Linux AMI é o Apachetop.
Continue lendo “Monitore seu Apache”

Os dispositivos de segurança

Existem diversos meios para mitigar riscos às informações armazenadas dentro das corporações e vulnerabilidades e processos falhos podem ser detectados em auditorias, verificações de rotina ou em dispositivos de segurança da informação.

Grande parte do esforço de uma organização para manter a segurança de sua informação está localizada nestes dispositivos automatizados de segurança, já que uma vez programados corretamente, executam seu trabalho, prevenindo o acesso indevido, gerando cópias de segurança, impedindo a exploração de vulnerabilidades e garantindo a segurança em camadas primárias de segurança.

Mas, como garantir que estes dispositivos de segurança estão funcionando corretamente e mantendo o risco controlado?

E como ter controle permanente sobre possíveis vulnerabilidades aos quais tais dispositivos estão sujeitos?

Dispositivos de autenticação que impedem pessoas com credenciais inválidas de ter acesso à conteúdo confidencial estão realmente funcionando da maneira que foram projetados para funcionar ou suas vulnerabilidades estão sendo exploradas frequentemente aos domingos e feriados sem que ninguém visualize indícios desta atividade por falta de uma rotina de auditoria nos registros de atividade da aplicação?

Este será o tema de uma nova série de posts relacionados a dispositivos de segurança da informação. Aguarde!

Quais são os riscos de segurança de aplicativos?
Quais são os riscos de segurança de aplicativos?

Concurso de desenvolvimento de games

O desafio lançado pelo Sebrae é criar games com temas de gestão empresarial e comportamento empreendedor para o público universitário.

Podem concorrer designers amadores, empresas de desenvolvimento de games, estudantes, professores, ou seja, qualquer um capaz de publicar seu aplicativo.

Os dez primeiros colocados receberão prêmios em dinheiro que variam entre R$ 30 mil e R$ 80 mil. Continue lendo “Concurso de desenvolvimento de games”