Anatomia de uma espada na nomeclatura japonesa

A lâmina

Componentes da lâmina:

  • A ponta, parte da espada mais difícil de forjar e polir e o valor da espada é fortemente determinado pela condição de sua ponta;
  • As linhas do fio;
  • Linha divisória entre o corpo e a ponta (Yokote)
  • Linha-cume (Shinogi). Esta linha pode não ser encontrada em lâminas hira-zukuri. A shinogi pode ser de dois tipos:
    • Shinogi-takashi – linha-cume elevada
    • Shiinogi-hikushi – linha-cume plana
  • Superfície superior ou área-cume (Shinogi-ji). Alguns espadeiros fizeram espadas com uma superfície superior larga; outros, entretanto, produziram espadas com a linha-cume perto do dorso (parte oposta à do fio).
    Superfície (Ji) e Superfície-decoração. Algumas lâminas tem entalhes (hi), desenhos (horimono) e inscrições (bonji ou kanji) na superfície e na área-cume (shinogi-ji).
  • Entalhes/Sulcos (hi). Originalmente os entalhes/sulcos eram feitos para garantir a curvatura da espada e diminuir o peso. Entretanto, os sulcos gradualmente passaram a ser considerados como pura decoração.
    Desenhos (horimono) e inscrições (bonji ou kanji). Estes também são considerados refinamento decorativo, apesar deles terem tomado a idéia de significado religioso. Entretanto, uma espada não é necessariamente uma boa espada simplesmente porque ela tem sulcos ou inscrições na sua superfície ou área-cume. Como na maioria dos casos, muitas desses “enfeites” são colocados muito tempo depois da confecção da lâmina para esconder sinais indesejáveis ou defeitos na lâmina.
  • Linha de têmpera (Yaki-ba) ou (Ha). A linha de têmpera é uma linha contínua, ondulada ou não, que percorre a extensão da lâmina. Como ela é a mais dura porção do aço, se torna esbranquiçada quando habilidosamente polida. As linhas de têmpera representam a mais bela característica das espadas samurai e são o mais importante item de avaliação.
  • Dorso ou área topo (Mune). Existem 5 tipos de dorso. Os mais comuns são conhecidos como ihori-mune ou gyo-no-mune.
    • Dorso baixo (mune-hikushi).
    • Dorso alto (mune-takashi).
    • Dorso duplo-cume (mitsu-mune ou shin-no-mune).
    • Dorso arredondado (maru-mune ou so-no-mune).
    • Dorso plano (hira-mune ou kaku-mune).
  • Curvatura (Sori). A curvatura da espada é medida no dorso. Geralmente falando, as curvaturas são classificadas como profundas ou rasas. Em muitas espadas o ponto de curvatura mais profundo aparece no centro da lâmina. Este tipo é conhecido como torii. Entretanto, na antiga escola Bizen de confecção de espada, o ponto de curvatura mais profundo está localizado mais perto do punho. Este tipo de curvatura foi formalmente conhecido como koshi-zori ou Bizen-zori.
  • Comprimento (Nagasa). Medida do comprimento da lâmina.
  • Cabo da lâmina (Nakago). O cabo da lâmina é a parte da lâmina localizada onde seria a empunhadura ou punho. Os cabos das lâminas são importantes na avaliação de espadas samurais, particularmente porque muitas vezes revelam a data de confecção e a identidade do espadeiro. Os cabos das lâminas de espadas feitas em diferentes escolas de confecção usualmente são similares.

Os Suportes

Os suportes compreendem as estruturas que se agregam à lâmina, são compostos por peças de encaixe (que revestem ou suportam a lâmina) e acessórios.

São classificados conforme o que se segue:

  • Bainha (Saya). A bainha é feita de madeira. Seu propósito primário é proteger a lâmina. Usualmente ela é envernizada ou fosca. Algumas bainhas possuem bolsos/encaixes para a kozuka (faca de utilidade), uma kogai (espeto), ou wari-bashi (pauzinho trincado) entre a tsuba (guarda) e a kurigata (corda do punho).
  • Guarda (Tsuba). A guarda protege a mão que segura a espada. É feita de aço, cobre, prata ou algum outro metal. Existe muitas pessoas que colecionam tsuba por causa de sua beleza artesanal. Algumas tsuba possuem orifícios laterais ao furo central (onde se trespassa o cabo da lâmina) que servem para colocar a kozuka, kogai ou o waki-bashi. O orifício para a kozuka (faca de utilidade) é sempre aquele localizado ao lado esquerdo do furo central (olhando-se a tsuba de frente, no sentido ponta-cabo).
  • Punho ou Empunhadura (Tsuka). O cabo da lâmina é encaixado no punho. O punho é feito de madeira, tem anéis (fuchi e kashira) em ambas extremidades, é coberto por ossículos das barbatana de peixes e atado por fita. Existem vários tipos de fitas usadas para a amarração do punho. Algumas fitas são feitas de seda, couro ou algodão e podem ser também um conjunto de fitas largas flexíveis ou de cordas leves. Algumas tsuka dos suportes jindachi-zukuri ou espada curta (tanto) tem punhos sem amarração chamados hari-menuki ou uki-menuki (ornamentos encravados no punho).A corda da bainha (Sageo). É um acessório.
  • Colarinho (Habaki). Para prevenir que a lâmina balance dentro da bainha e/ou sair acidentalmente.
  • Espaçadores ou Arruelas (Seppa). Mais um dos itens que firmam a lâmina ao punho.
  • Anéis ou mangas (Fuchi). Além de adornar, conferem firmeza na amarração do punho.
  • Ornamentos do punho (Menuki). O punho tem um par de menuki. Alguns desses pares tem desenho idênticos, mas alguns consistem de desenhos companheiros ou contrapartes.
  • Anel da base (Kashira). Existe muitas pessoas que colecionam os anéis (kashira e fuchi) e ornamentos do punho (menuki) por causa dos seus desenhos fantásticos, tal qual os colecionadores de tsuba.

Cuidados e Manutenção

A função primária da espada é cortar, mas nunca deve ser usada para cortar objetos demasiadamente duros ou rígidos, pois essa ação serve somente para arruinar a lâmina.

O melhor jeito para prevenir ferrugem numa lâmina, além evitar tocá-la diretamente com as mãos, é mantê-la sempre ligeiramente untada com um óleo lubrificante. É melhor usar óleo levíssimo, do tipo usado para limpar e conservar armas de fogo, porque óleo pesado pode ensebar a bainha. (não usar óleo de máquina de costura pois contém muita água). Se a espada reside em áreas de atmosfera salgada, aplique óleo uma vez ao mês, se em regiões montanhosas aplique óleo a cada 3 meses.

Antes de reuntar a lâmina, seque-a retirando o óleo anterior com tecido macio (exemplo: tecido facial). Depois chuvisque o pó especial para remoção de óleo (uchi-ko) ou salpique talco na superfície da lâmina. Remova o pó esfregando gentilmente com um tecido macio limpo. Por fim unte a lâmina com óleo leve e fino.

A importância de untar-se a lâmina a intervalos regulares não pode ser menosprezada, visto que é a melhor maneira de prevenir corrosão. No caso da espada ser também usada na prática do Iaido, a cada final de treino, deve ser limpa e untada conforme já explicado, sendo que o uso do “uchi-ko” ou talco é eventual.

Veja também:

https://en.wikipedia.org/wiki/Japanese_sword_mountings

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *